Este blog não é canal oficial para nenhum grupo ou personalidade. Não busca atrair nenhum indivíduo ou grupo a fazer parte de qualquer grupo. Liberdade, soberania e abundância ilimitada para todos. Confie na sua intuição e procure sempre a validação ou não das informações postadas aqui em outras fontes. Você é o único dono de sua Energia - corpo-mente-alma-emoções - de sua Vida; e o Único Senhor de Si Mesmo, com a bênção do seu Criador/Criadora.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

ETs de Vênus fizeram contato em 1952?


ETs de Vênus fizeram contato em 1952?

http://exopolitics.org/did-extraterrestrials-from-venus-make-contact-in-1952/
Did Extraterrestrials from Venus Make Contact in 1952?
Escrito por Dr Michael Salla em 12 Dez. 2017.

Tradução de contato estelar:

O pesquisador francês Michel Zirger escreveu um livro altamente detalhado sobre contato extraterrestre, que destaca os encontros de George Adamski com supostos extraterrestres de Vênus. Em We Are Here: Visitors without a Passport (2017), Zirger fornece uma visão geral sólida de uma coleção de fotos e testemunhos apoiando o famoso encontro de Adamski de 20 de novembro de 1952 perto de Desert Center, Califórnia. Zirger observa que o encontro de Adamski foi o primeiro caso de contato documentado com um ocupante de uma nave disco voador que amplamente acreditava-se ser um extraterrestre venusiano.


Seis testemunhas viram duas naves OVNIs no dia do encontro de Adamski. A primeira era uma grande nave em forma de charuto voando acima de suas cabeças, e a segunda era uma pequena nave batedora em forma de disco que aterrissou. Da nave batedora surgiu um ocupante para se encontrar com Adamski, que afirmou ser do planeta Vênus e dizia que seu nome era Orthon.

Em seu livro, Zirger inclui cópias digitalmente aprimoradas das fotos originais tiradas no encontro de Adamski, que mostram tanto a nave batedora pairando antes do pouso quanto seu ocupante que surgiu após o pouso. As fotos foram aprimoradas pelo artista dinamarquês Rene Erik Olsen, que disponibilizou as fotos do Desert Landing em seu site.


(C) Rene Erik Olsen 2017

A seguinte foto é um aprimoramento de uma pessoa (Orthon) caminhando, da nave batedora pousada, em direção a Adamski. Debates e closes estão disponíveis em 'We Are Here'.


As seis testemunhas do pouso e o encontro de Adamski com seu ocupante assinaram uma declaração juramentada que apoia a versão de eventos de Adamski que foi posteriormente publicada em seu livro co-escrito de 1953, 'The Flying Saucers Have Landed'. Zirger cita uma das testemunhas, George Hunt Williamson, que foi gravado durante uma palestra :



Gostaria de reafirmar aqui que a experiência, como George Adamski tem relatado em 'Flying Saucers Have Landed', onde minha esposa e eu, junto com nossos amigos, testemunhamos a ocorrência, aconteceu exatamente como o Sr. Adamski menciona lá em Flying Saucers Have Landed: a grande nave foi avistada e, em seguida, através de binóculos testemunhamos os outros acontecimentos a cerca de uma milha de distância no deserto ... Nós vimos o Sr. Adamski falando com alguém ... à distância. Nós vimos a grande nave. Nós vimos lampejos de luz, a partir do qual mais tarde aprendemos que a nave menor havia saído da maior. Nós vimos uma grande abertura na nave maior através da qual a nave menor deve ter deixado a nave maior ... Nós vimos a pequena nave como ela pairava [veja foto da base das pequenas colinas onde Adamski estava de pé]. (Kindle Edition 5203-10)

Apesar das provas convincentes, o encontro de Adamski em 1952 foi amplamente desconsiderado. Zirger relata a chocante extensão em que evidências e testemunhos que apoiam o famoso desembarque no Desert Center de Adamski foram ridiculizadas ou distorcidas por cientistas líderes da época como o Dr. Donald Menzel, o Dr. Jacques Vallee e o Dr. Carl Sagan.

A maioria dos pesquisadores de OVNIs já descartou Adamski como um mentiroso, apesar da evidência convincente sugerindo o contrário. Na verdade, as fotos de Adamski de discos voadores e naves em forma de charuto que datam de 1950 nunca foram provadas serem falsas.

Adamski acreditava que o ser que emergiu da nave batedora em 1952 era de Vênus. Zirger discute a viabilidade da crença de Adamski, vistos os dados científicos que subsequentemente emergiram mostrando a superfície de Vênus como inabitável devido às altas temperaturas (462 ° C; 863 ° F) e à pressão atmosférica esmagadora (92 vezes a da Terra).

Zirger discute uma série de possibilidades de como extraterrestres poderiam habitar Vênus. Ele sugere que a NASA esteja mentindo sobre as condições horríveis na superfície de Vênus. Outra possibilidade é que os extraterrestres apenas tenham uma base ali e vieram de outros lugares da galáxia.

Já outra possibilidade é que os extraterrestres vivam nas regiões subterrâneas de Vênus, algo viável de acordo com as pesquisas científicas recente. Ele cita Sean McMahon, que liderou uma equipe científica da Universidade de Aberdeen, que afirmou que a vida poderia evoluir no interior de um planeta, bem longe de uma superfície inóspita:

As superfícies de planetas rochosos e luas que conhecemos não são nada como a Terra. Eles são tipicamente frios e estéreis, sem atmosfera ou com uma atmosfera muito fina ou até corrosiva. Ir abaixo da superfície o protege de toda uma série de condições desagradáveis na superfície. Portanto, a zona subterrânea habitável pode revelar-se muito importante. A Terra pode até ser incomum em ter vida na superfície.

Zirger parece favorecer a explicação "Nova Era" ["New Age"] de que uma civilização altamente evoluída, que "ascendeu" a outro plano dimensional, existe hoje sob a superfície de Vênus. Ele sugere que na superfície de Vênus, hoje, pode haver apenas vestígios raros da antiga civilização que uma vez prosperou na superfície.

Zirger cita uma série de textos esotéricos e fontes que apoiam a ideia de que existe uma civilização avançada em Vênus, mas está escondida de telescópios modernos e sondas planetárias enviadas por diferentes agências espaciais nacionais. Por exemplo, ele se refere ao livro de 1899, A Dweller of Two planets:

Nenhum telescópio jamais revelará vida em Vênus: não que não esteja lá, mas suas formas são da Única Substância [One substance] afetadas por uma força que as torna imperceptíveis aos olhos terráqueos".

Houve um número de contatados que afirmam ter encontrado Venusianos do interior do planeta, bem longe de telescópios e sondas espaciais. Estes incluem Frank Stranges, autor do livro, Stranger at the Pentagon.


Mais recentemente, o 'insider' do programa espacial secreto, Corey Goode, afirmou que foi levado para Vênus, onde viu algumas das antigas estruturas que ele chama de "tecnologias de raça construtora" na superfície do planeta:

Nos dirigimos para Vênus a uma velocidade extrema, perfurando as grossas nuvens. Eu quase não podia perceber a cor amarelada, de tão rápido que passávamos por elas. E então, paramos a cerca de 1.000 pés [305 metros] acima do solo, e eu estava olhando ao redor, e eu vi esse terreno que parecia ter sido corroído por muitos ventos e chuvas, como você veria na Terra. Parece que tinham sido montanhas que erodiram, e elas pareciam quase pessoas. Pareciam quase esculpidas por mãos inteligentes. Então enquanto observava, de repente o teto e o chão ficaram transparentes ... E olhei para baixo e pude ver o prédio grande e gigante em forma de H no fundo dessa cratera .


Gigantesca estrutura de pedra em forma H em uma cratera na superfície de Vênus de acordo com Corey Goode. Permissão de Sphere Being Alliance

Goode diz que encontrou um antigo ser chamado "Sentinel" que vigiava a tecnologia dos antigos construtores que era protegida por um escudo de energia de algum tipo. Sua estoria tem paralelos com a alegada visita a Venus pelo contatado boliviano Luis Mostajo Fernando, que diz que entrou em uma área fértil de Vênus protegida por um escudo energético.

Goode, Fernando e outros relatos de visitas a Vênus apoiam [a crença de] uma antiga civilização, [que] uma vez que habitou sua superfície, e que existem lá áreas subterrâneas que sustentam a vida atual.

A analise de Zirger das explicações para a afirmação da Orthon de ser de Venus, apesar das suas condições de superfície inóspitas, é ampla e informativa.

No entanto, é uma outra possibilidade levantada por Zirger que pode oferecer uma maneira mais precisa de enxergar o encontro de Adamski em 1952. Zirger questiona se Adamski foi alimentado com desinformação de Orthon sobre Vênus ser sua verdadeira origem:

Adamski foi manipulado por um "pseudo-venusiano"? Essa origem venusiana foi parte de uma cortina de fumaça ou de algum tipo de "plano de comunicação" extraterrestre para despertar nossa consciência para a idéia da vida extraterrestre? ... O lema subjacente desta "estratégia de comunicação" seria então algo como: Vamos contar mentiras, vamos contar mentiras, ainda haverá algo sobrando, "Adamski sendo considerado não muito mais do que uma interface para um jogo de desinformação ou enganação".
(Edição Kindle, 1032 de 5403)

Zirger acredita que a possível desinformação foi projetada para proteger a origem verdadeira de Orthon e sua nave espacial de serem descobertas. Zirger expressou perplexidade sobre por que os extraterrestres de outro sistema solar poderiam querer fingir ser de um mundo inabitável de nosso próprio sistema solar:

"Por que essa enganação, quando eles poderiam simplesmente ter dito que eram do planeta T do sistema solar Y? (Edição Kindle, 1042 de 5403)

Zirger negligencia uma explicação "Terra-centrica" para a desinformação que pode ter sido alimentada a Adamski. Isto é levantado em um dos casos de contato mencionados por Zirger em We Are Here. Ele cita o caso de Reinhold Schmidt em 1957:

Gostaria de citar brevemente um último caso, o de Reinhold O. Schmidt, 60 anos na época, um comprador de grãos da Bakersfield (Califórnia). Em 5 de novembro de 1957, ele afirmou ter falado por cerca de 30 minutos com a tripulação de um grande OVNI em forma de charuto prateado que teria pousado perto de Kearney na pradaria de Nebraska para fazer reparos. Em uma entrevista disponível em fita de uma hora e meia, Schmidt afirmou que a tripulação era composta de "quatro homens e duas mulheres". Todos falaram com ele "na língua americana com um sotaque alemão", mas às vezes ele parecia que ele podia ouvi-los falar entre eles em "alta língua alemã, muito bom alto alemão". (Kindle Edition, 526-531).

O caso de Schmidt levanta a questão, Orthon fazia parte de um Programa Espacial Secreto Alemão e estava apenas fingindo ser um Venusiano?

Continua.

© Michael E. Salla, Ph.D. Copyright Notice

*

tradução & postagem de contato estelar